Mais do que uma trama bem escrita e amarrada, “O Inominável” te pega pela mão e guia por uma trilha perigosa e empolgante. Nostálgico, cativante, frustrante na medida certa e surpreendente! – Henrique de Micco, autor do livro O Último Ceifador

A obra nos faz pensar em cada ato que já nos causaram sofrimento e nas nossas ações que já afetaram alguém. Ao terminar de ler, ficamos com um misto de sentimentos, que oscilam entre a compreensão de que aquilo que os personagens passaram os motivou a agir de determinada maneira e a dúvida se faríamos igual na situação deles ou não. Talvez, todos possuamos uma escuridão dentro de nós, apenas esperando para ser libertada Travessia Cult

A escrita do Gustavo é impecável, interessante e, mais do que isso, empolgante. O escritor tem uma forma única de contar a história, criando teorias bem bacanas que gera uma proximidade e, muitas vezes, identificação com o leitor.MeUniverso

Acredito que essa familiaridade com personagens do dia a dia da gente, fez com que eu me envolvesse ainda mais na trama, aumentando todo o suspense do livro. Durante toda a leitura você se pergunta se isso está realmente acontecendo ou se são estranhas coincidências. Terror, Horror e Suspense

O enredo é bem simples, mas a narrativa é muito bem fundada e traz uma atmosfera até meio Lovecrafteana, com personagens indo rumo ao desconhecido e encontrando algo cuja existência parecia impossível. Um dos méritos do autor é a forma bem crível como ele construiu os personagens, com a impulsividade e visão limitada típica da adolescência, mas sem subestimar sua inteligência.Prelúdios e Noturnos

A narrativa ajuda bastante a leitura fluir, pois por ser contada em primeira pessoa, acaba envolvendo bem o leitor e mantendo o seu interesse do começo ao fim. A escrita do autor também é muito boa, bem contextualizada, de acordo com a linguagem da jovem. Por ser um relato, como a própria Thalita esclarece, a linguagem é bem própria de um relato, ou seja, vai direto ao ponto, sem descrições e detalhamentos que não sejam os necessários para a narrativa. – Dragonmountbooks